PAE

UM REDUTO DE PAZ DE "MARIA DOLORES"

Psicografias em investigação: Fernando Ben é acusado de falsificar mediunidade

Psicografias em investigação: Fernando Ben é acusado de falsificar mediunidade


Reportagem do programa Fantástico (TV Globo) relata a acusação de supostas fraudes de mediunidade de Fernando Bien, dito médium de psicografia.

Com o título "Suposto médium espírita, que lotava ginásios, é acusado de fraude em suas psicografias" e subtítulo "Fernando Ben é suspeito de tirar informações das redes sociais para colocar nas cartas psicografadas e foi indiciado por estelionato e denunciação caluniosa. Ele nega acusações.", a matéria global reporta testemunhas que alegam que o suposto médium frauda a mediunidade coletando pelas redes sociais informações de pessoas falecidas cujos familiares e amigos costumam seguir as sessões das "Cartas de Fátima" atrás de um contato com esses Espíritos queridos, para então Ben compor supostas mensagens mediúnicas e com isso ganhar notoriedade para depois se beneficiar de seu trabalho através de, por exemplo, doações e vendas de produtos.



A respeito de pseudomediunidade e usurpação desse "dom", nós já publicamos aqui um artigo interessante, assinado pelo pesquisador espírita Jorge Hessen, com o título "Internet, redes sociais e os pseudomédiuns, ambiciosos e mistificadores", de 14 de fevereiro deste 2019. Aliás, Hessen foi um dos críticos processados por Fernando Ben exatamente devido a suspeita levantada de seu trabalho mediúnico. Inclusive, Hessen foi o articulador do manifesto público  alertando os espíritas e simpatizantes sobre a exploração que se tem feito da mediunidade, especialmente a pretexto de cartas de entes falecidos. Esse manifesto foi citado na reportagem do Fantástico.

Abaixo, a entrevista completa do repórter da Globo com o médium:



Não entraremos no mérito do trabalho de Fernando Ben, confiando à nossa justiça civil a devida apuração das acusações e a defesa do suposto médium, sabendo ainda que, além das competências investigativa terrena, estamos todos sob o pálio da justiça divina, implacável e absolutamente eficaz. Não conhecemos Fernando Ben pessoalmente e nem acompanhamos intimamente o seu trabalho, de modo que nem podemos absolvê-lo nem tampouco condená-lo por estas acusações. Mas, aproveitando o ensejo da matéria, vamos tratar do problema conceitual, que é a exploração da mediunidade.


Exploração da mediunidade

Mediunidade é um canal extraordinário que a Providência Divina concede em benefício tanto dos encarnados quanto dos Espíritos, donde transcorrem aí mecanismos diversos de ajustes e experimentações salutares para o processo evolutivo de todos os envolvidos. O trabalho de "cartas consoladoras", de que  a biografia de Chico Xavier é ícone, tem transformado vidas e vidas, positivamente, criando laços humanos com a espiritualidade em face dos valores superiores. Veja-se, por exemplo, o resultado do livro Esperança e Fé, que há pouco publicamos aqui (saiba mais sobre isso).



No entanto, dada a fraqueza espiritual de pessoas ainda carentes de um amadurecimento consciencial e as tendências de egoísmo desses espíritos deveras imperfeitos, o instrumento da mediunidade não poderia escapar da exploração, como o previu Allan Kardec, na codificação do Espiritismo. Tanto que ele dedicou um capítulo especial ao tema na obra O Livro dos Médiuns, o guia prático da mediunidade e a melhor orientação para a boa conduta diante do dom de intermediar as mensagens do mundo espiritual. No capítulo XXVIII temos então o título "Do charlatanismo e do embuste", onde o codificador espírita assevera a força motriz das usurpações da mediunidade:
Como tudo pode se tornar objeto de exploração, nada de surpreendente haveria em que também quisessem explorar os Espíritos. Resta saber como eles receberiam a coisa, dado que tal especulação viesse a ser tentada. Diremos desde logo que nada se prestaria melhor ao charlatanismo e à trapaça do que semelhante ofício. Muito mais numerosos do que os falsos sonâmbulos, que já conhecemos, seriam os falsos médiuns e este simples fato constituiria fundado motivo de desconfiança. O desinteresse, ao contrário, é a mais concreta resposta que se pode dar aos que só veem trambiques nos fenômenos. Não há charlatanismo desinteressado. Assim, qual a intenção visada pelos que usassem de embuste sem proveito, sobretudo quando a honra os colocasse acima de toda suspeita?
Allan Kardec

O Livro dos Médiuns, 2ª parte, cap. XXVIII, item 304


Portanto, o sinal mais evidente de falsidade mediúnica é o do interesse qualquer do pseudomédium, seja esse interesse material ou mesmo a vaidade, o desejo de ser notado, reconhecido, ou seja, a ostentação da personalidade. Por isso, onde houver qualquer vantagem, ou ilusória vantagem, em favor daquele que se apresenta como portador da espiritualidade, aí está um grave vestígio de charlatanismo. Por outro lado, onde se encontra humildade e desprendimento do tarefeiro, nisso temos bom indício de boa prática mediúnica.

Faz bem lembrar também que a mediunidade não é um patrimônio do Espiritismo: ela existe dentro e fora da prática espírita — Fernando Ben, aliás, declara-se "não espírita", mas seguidor da "Filosofia de Fátima", uma nova doutrina orientada por sua mentora espiritual (o Espírito denominado Fátima) , inclusive por evocação do médium ou compulsoriamente por vontade de um Espírito que deseja se manifestar e encontre os meios de se manifestar através de qualquer pessoa dotada de percepções espirituais.


Consequências da pseudomediunidade

Toda vez que se levanta suspeita de embuste  mediúnico há prejuízo moral para o movimento espírita, porque o senso comum — que ignora a Doutrina Espírita — tende a generalizar a tudo e então põe em xeque a honestidade de todos os médiuns e até mesmo a validade do Espiritismo. Daí por que Allan Kardec nos exorta a denunciar a falsa mediunidade ou a usurpação desse dom. Desta feita, é sim uma baixa na divulgação da doutrina.

Já para o embusteiro — o falso médium — nós podemos visualizar duas gravíssimas consequências:
  1. Em mistificando os valores da espiritualidade, o falsificador afasta de si justamente a iniciação da verdadeira e boa mediunidade, pois os bons Espíritos repugnam tais atos;
  2. A falsa atividade mediúnica não deixa de ser um ensaio para o pior aspecto de sua instrumentação, que é a obsessão: aquele que usurpa os valores espirituais só tende a atrair o concurso de comparsas; e o que não falta é Espíritos obsessores sedentos por se divertir às custas da perturbação de pseudomédiuns interesseiros.
A criatividade artística levou às telas do cinema uma boa representação desse tipo de charlatanismo através do filme Ghost - do outro lado da vida (1990), em que uma falsa vidente (interpretada por Whoopi Goldberg) acaba por desenvolver capacidades mediúnicas, atraindo a companhia constante — e perturbadora — de Sam (Patrick Swayze), se bem que neste filme as coisas não foram tão ruins assim quanto pode ser na vida real. Que o diga quem tem o devido conhecimento de um processo obsessivo do tipo mais sério, como o de subjugação.


A falsa vidente no filme Ghost

Mediunidade realmente não é algo com o que se deva brincar.

Além de tudo, é revoltante saber que por trás de interesses pessoais se brinque com os sentimentos alheios, sentimentos esses dos mais tocantes, pois estamos falando de uma das maiores dores e sofrimentos que se possa experimentar neste mundo, que é a ideia de "perda" de uma pessoa amada, enquanto que muita gente realmente imagina que esta vida carnal seja a verdadeira existência: uma carta mediúnica verdadeira pode dar não só conforto, mas abrir a mente dos familiares a respeito da imortalidade da alma, da continuação dos laços de afeto e a esperança de um reencontro com os entes queridos; de outra forma, a frustração a partir de uma fraude mediúnica pode desesperar corações e jogar pessoas na senda da incredulidade acerca de qualquer ideia espiritual.

Veja também: "Sobre charlatões, milagres, varellas e outros efeitos colaterais do recurso mediúnico".

E não poderíamos deixar de recomendar a leitura de O Livro dos Médiuns (baixe aqui gratuitamente), tanto para aqueles que gostariam de servir à causa espiritual através da mediunidade, quanto para aqueles que apenas desejam conhecer melhor a natureza desse canal de intermediação entre a Terra e o mundo invisível.