PAE - UM RECANTO DE PAZ

UM REDUTO DE PAZ DE "MARIA DOLORES"

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Fábulas da carochinha e o ancestral “espiritismo” à brasileira (Jorge Hessen)

Jorge Hessen

Jorge Hessen
jorgehessen@gmail.com
.
Um belo dia, assisti a um vídeo (documentário) sobre as atividades de certa instituição espírita dirigida rigorosamente sob os preceitos da coerência doutrinária. Entretanto, no que pese o admirável trabalho assistencial efetivado por essa instituição, ela o realiza em sociedade (parceria) com outro “centro espírita”, que é administrado sem discernimentos e integral inobservância  dos princípios kardecianos.

Eis aí o nó da questão!

Para meu espanto, notei no vídeo que alguns trabalhadores do segundo centro espírita estavam trajados com camisetas brancas à guisa de uniformes e coruscantes manifestações de idolatrias ao “médium” protagonista que “incorpora” “doutores do além” e/ou “espíritos curadores”.

No documentário ainda percebi cenas em que são exibidas  substâncias acondicionadas  em diversas garrafas, supostamente contendo “remédios” prescritos por orientações de “pretos velhos”. Com obviedade estranhei sobre tal prática, considerando que o documentário foi exibido numa instituição de orientação genuinamente kardeciana. Por isso, deliberei escrever aqui sobre as inconsistências da segunda instituição. 

São raros, ainda, as instituições espíritas que se podem entregar à prática mediúnica, com plena consciência da tarefa que têm em mãos, deste modo, é aconselhável e prudente, a intensificação das reuniões de estudos sérios das obras de Kardec , a fim de que os trabalhadores de boa vontade  não venham a cair no desânimo ou na inércia, por causa de um antecipado e imaturo comércio com as energias do plano invisível.

Creio que os médiuns são úteis, mas não indispensáveis numa casa espírita. É evidente que a ausência de estudos de Kardec não é prudente nas instituições  espíritas, e é de se estranhar que médiuns estudiosos e sinceros, continuem com suas consciências escravizadas, incidindo no velho erro do misticismo e / ou da idolatria.

Quantos aos médiuns idolatrados é importante adverti-los  que o seu maior inimigo não é quem os adverte, mas o seu personalismo e sua pirraça no voluntário desconhecimento dos seus deveres à luz do Evangelho.  Há médiuns que se convenceram quanto aos fenômenos, sem se converterem ao Evangelho pelo coração, trazendo para as fileiras do Espiritismo os seus caprichos pessoais, opiniões cristalizadas no endurecimento do coração.

É importante prevenir fraternalmente que os Espíritos que se apresentam como “caboclos” e “pretos(as)-velhos(as)” nos terreiros ou noutros recintos possuem muito pouco ou quase nada de si mesmos para ensinar, em termos de filosofia espírita.

O princípio do ÓBVIO nos sussurra  que devemos ter respeito, atenção, carinho, amor, sincero desejo de ajudar tais entidades, porém essa não é uma recomendação isolada para Espíritos de “caboclos” e “pretos(as)-velhos(as)”. Isso vale para toda e quaisquer comunicação mediúnica.

Dizem que por trás desses estereótipos (“pretos(as)-velhos(as)” , “caboclos”) podem estar "médicos", "filósofos", "poetas", etc., que apenas se utilizam de tais "roupagens" para ensinarem melhor (!...). Conquanto exista obra mediúnica já consagrada nas hostes espíritas que afiance isso, particularmente, duvido sobre tal veridicidade. Nada mais precipitado do que se dar crédito a esses argumentos. Até porque, o PENSAMENTO é a linguagem, por excelência, no mundo espiritual e a forma e trejeitos no falar e agir são adicionais supérfluos e desnecessários.

Ora, não há eternos espíritos de  “pretos(as)-velhos(as)”, nem brancos(as)-velhos(as), até porque todos estão em processo de evolução e não podem permanecer nessas categorias. Por essa razão, devemos ter toda cautela com os seus atavismos primários. Até porque, essas entidades precisam descontruir tais psiquismos atávicos que, a rigor, mais assemelham-se aos mitológicos “deuses” do velho politeísmo.

A Doutrina dos Espíritos está estruturada nas Obras Básicas de Allan Kardec e não possui ramificações ou subdivisões com outras crenças. Seu corpo doutrinário está contido nos ensinos dos Espíritos Elevados (isso mesmo! Espíritos Superiores). Motivo pelo qual, não podemos nos acomodar com um Espiritismo "à moda brasileira" , ou seja, um Espiritismo umbandizado, catoliquizado, irracional, místico e mistificado por desajustados centros “espíritas” que insistem por difundir  as ingênuas fábulas da carochinha...

SUA CASA ESPÍRITA É MESMO ESPÍRITA?

A imagem pode conter: texto

1) Sua casa espírita tem sessões de Reike e Cromoterapia em conjunto com palestras e passes?

2)Sua casa espírita faz curas? 

3)Sua casa espírita faz curas e usam álcool, éter, ou roupas brancas ?

4)As preces constam nas sessões de Ave Maria, terço, creio em Deus Pai?

5)Nas mesas mediúnicas existem médiuns que não possuem amizade, ou afinidade para com o outro?

6)Em sua casa espírita as sessões fechadas "vazam" para ajudar amigos desesperados ?

7)Em sua casa espírita, as palestras estão lastreadas só na doutrina de Kardec, outros codificadores ou revisores são considerados ?

8)Seu dirigente doutrinário, é conhecedor profundo das Obras Básicas ?

9) Os livros que são vendidos em clubes do Livro, possuem uma analise do dirigente espírita comandante? Os livros indicados são vertentes da base doutrinária, ou mais romances ?

10) Em sua Casa Espírita, os passes usam "toques de mão pelo corpo" e não imposição de mãos ?

11)Em sua casa espírita todos os passes são feitos sem conhecimento dos dirigentes ou médiuns fraternos de atendimento?

12)Em sua casa espírita, o Livro que formou os médiuns é do COEM ?

13)Em sua casa espírita, seu dirigente ou coordenador da câmara de passe, retira ou suspende médiuns com problemas particulares, ou que no dia do trabalho não estejam bem?

14)Em sua casa espírita, Chico Xavier, ou André Luiz, ou mesmo Emmanuel de 2003 para cá enviaram mensagens especiais ?

15)As Obras de JB Rousting são citadas como referência ?

16)Na sua casa espírita, os médiuns todos que atuam na sessão principal da casa, leram e estudaram por pelo menos dois anos a obra de KARDEC, o Livro dos Médiuns, ou foi dito que não era necessário bastava o "Dom" ?

17)Em sua Casa espírita houve grupo de estudo das 17 obras de André Luiz, ou somente NOSSO LAR ?

18)O Livro dos Espíritos, é estudado e lido, mantido para consultas, ou não é mais indicado ?

19)Os médiuns que possuem o dom da "vidência" propagam isto aos quatro cantos da sede ?

20)O passe é dado como curativo, sem ensinar a mudar os atos de erros moral e de caráter antes?

21)Onde você frequenta, trabalha ou dirige não existe trabalho de ajuda social, tipo sopa, café com leite aos mais necessitados?


Bem amigos, se nestas 21 perguntas tiver pelo menos OITO QUESTÕES, ou todas que tenha SIM da sua parte, SINTO LHE INFORMAR, SUA CASA ESPÍRITA NÃO É ESPIRITA.

Fonte: Divulgação do Espiritismo.

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Bezerra de Menezes. “Desligado!”


Luiz Carlos Formiga
Na década de 1970 (#), o Espírito médico Bezerra de Menezes oferece resposta, resumida por Mário Tamassia (30/5/1979). Questão formulada: “por que, sendo médico, dirigindo no Além uma grande falange de irmãos dessa especialidade, no Espaço, cobrindo o vasto território do Brasil geográfico e espiritual, quando se comunica, por si ou por proposto em seu nome, mais discreteia sobre Evangelho, Amor, Jesus, do que nos adianta algo sobre terapêutica, diagnóstico, parecendo-nos desligado da área biomédica?
As mensagens mais novas dão a mesma impressão.
No Centro Espírita André Luiz, no Rio de janeiro, em 2008, Bezerra pergunta: “como podiam os carrascos nazistas matar no campo de concentração e, chegar ao lar, sorridentes, afetuosos, bons esposos e bons pais?”
Esclarece dizendo que “essa fragmentação da psique fazia que uma área do cérebro lhes desse a visão de estarem agindo corretamente, tanto nas câmaras de extermínio, nas experiências científicas perversas, como no doce aconchego da família.”
Em seguida orienta: “médiuns, que todos somos – do Bem ou das aflições; da Verdade ou da ignomínia –  busquemos a sintonia perfeita com Jesus e nos entreguemos às Suas Mãos, porque, na condição de Pastor de Misericórdia, guiar-nos-á no Seu rebanho ao aprisco da paz.”
Em Mentes Perigosas, que citamos em Tu me Amas?,  a médica psiquiatra faz alerta.
“Os psicopatas podem permanecer uma vida inteira sem serem descobertos. Eles transitam pelas ruas, cruzam nossos caminhos, frequentam as mesmas festas, dividem o mesmo teto, dormem na mesma cama.”
“A estatística é assustadora. São 4% da população: 3% são homens. Assim, a cada 25 pessoas, uma é psicopata. Seus atos criminosos provêm de um raciocínio frio e calculista combinado com a incapacidade de perceber pessoas como seres humanos.”(1)
Em 2010, Brasília, Bezerra recomenda: “Não repitam a experiência da mulher de Ló, o patriarca hebreu que, possuidora de fé frágil, olhou para trás em busca dos prazeres perdidos, transformando-se em estátua de sal, desiludida pela aridez das falsas ilusões. Façam brilhar a própria luz, meus filhos! Este é o clamor do Evangelho, hoje e sempre!"(2)
Há registro de uma aula de Jesus sobre o julgamento de Deus, lembrando o apego da mulher de Ló (Lucas 17: 20-37). A advertência é cheia de significado para os estudiosos do evangelho. Esse julgamento pode vir de forma repentina e, eventualmente, sem aviso prévio, embora justo.
Ló, órfão ligou-se ao tio Abraão que o orientou profissionalmente. Ricos, decidiram se separar. Ele se destinou às melhores terras, na direção de Sodoma, cidade má e imoral.
A região escolhida por Abraão e Sara, apontava noutra direção. Destaca-se no casal a fé e a confiança que depositavam nos desígnios do Alto.
Embora as terras de Canaã fossem menos atraentes para os negócios era a escolhida por Deus. Sara não se preocupou com uma habitação perfeita para os prazeres imediatos e a vida social. Era outra a prioridade.
Na Bíblia, não está claro se Ló se casou com uma mulher da nova região, ou se já era casado, sendo a esposa posteriormente influenciada pelo ambiente do Jordão.
Alguns anos passaram, e Deus resolveu destruir Sodoma e as cidades vizinhas. Ló foi à falência. Descrentes, os noivos de suas filhas ficaram na cidade condenada. A mulher de Ló, em desobediência aos mensageiros do Alto, olhou para trás e se tornou “estátua de sal”.
O abuso do vinho levou Ló e as duas filhas ao incesto. Este dá origem aos nômades que se tornaram inimigos do povo de Israel, descendentes do tio.
Com a mulher de Ló, Jesus lembra nossas tendências, olhar para trás, aquelas com que nos prendemos às coisas materiais, em detrimento das espirituais. (Lucas 17: 28). “Tendência” é domínio afetivo quando tudo fica por conta da emoção, por amor a Mamon.
“Onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração” (Mateus 6:19-34).
Na década de 1960, em “Problemas do Mundo” Bezerra diz:  “O mundo está repleto de ouro. Ouro no solo, no mar, nos cofres.  Mas o ouro não resolve o problema da miséria.  O mundo está repleto de espaço.  Espaço nos continentes, nas cidade, nos campos. Mas o espaço não resolve o problema da cobiça. O mundo está repleto de cultura.  Cultura no ensino, na técnica,  na opinião.  Mas a cultura da inteligência não resolve o problema do egoísmo. O mundo está repleto de teorias.  Teorias na ciência,  nas escolas filosóficas,  nas religiões.  Mas as teorias não resolvem o problema do desespero. O mundo está repleto de organizações.  Organizações administrativas, econômicas, sociais.   Mas as organizações não resolvem o problema do crime.
Para extinguir a chaga da ignorância, que acalenta a miséria; para dissipar a sombra da cobiça, que gera a ilusão; para exterminar o mostro do egoísmo, que promove a guerra; para anular o verme do desespero, que promove a loucura, e para remover o charco do crime, que carreia o infortúnio, o único remédio eficiente é o Evangelho de Jesus no coração humano.
Sejamos, assim, valorosos, estendendo a Doutrina Espírita que o desentranha da letra, na construção da Humanidade Nova, irradiando a influência e a inspiração do Divino Mestre, pela emoção e pela ideia, pela diretriz e pela conduta, pela palavra e pelo exemplo e, parafraseando o conceito inolvidável de Allan Kardec, em torno da caridade, proclamemos aos problemas do mundo: fora do Cristo não há solução”. (3)
Há uma crescente preocupação internacional na identificação de princípios universais, tendo como base valores éticos compartilhados.  Nas Ciências Biomédicas importa não esquecer que a pessoa inclui em sua natureza diversas dimensões. Dimensão biológica, psicológica, social, cultural e espiritual. Suas interações nos fazem crer que a sensibilidade moral e a reflexão ética são partes do processo de desenvolvimento pessoal, científico e tecnológico.
As recomendações de Bezerra foram feitas por três médiuns diferentes. Na universidade, estimulou-nos a escrever sobre valores, aos pares da biomédica e do direito. (4)
No final da década de 1970, Bezerra nos fala através de Ilse Hinz Passarelli, a mesma que recebeu comunicação do Espírito, ex-presidente do Brasil. Juscelino Kubitschek de Oliveira, em sessão intima realizada na residência do Jornalista Mário Tamassia. Esta foi primeiro publicada, com grande repercussão, pelo jornal "Desobsessão", órgão do Hospital Espirita de Porto Alegre, RGS. (5)
Com a médium Ilse, em transe inconsciente, Bezerra responde sobre “parecer desligado da biomédica”.
Tamassia informa que a resposta foi longa e que, no Jornal Espírita, estava apresentando apenas uma síntese. O escritor diz, ainda, que a mensagem de Bezerra lhe pareceu importante para médicos e mais ainda para os doentes.
Pessoas em transe hipnótico, quando são levadas pela regressão de memória, aos momentos iniciais da vida depois que atravessam o canal de parto, informam a sensação incômoda de “se verem comprimidas pelo corpo pequeno”. Estou me sentindo assim, ao tentar fazer uma síntese, da síntese de Tamassia, para o leitor.
Creio que uma frase utilizada pelo escritor, advinda do guia Silver Birch, Londres, pode acender um farol: “se uma cura qualquer não tocar a alma do indivíduo, de nada valeu ser curado.”
Isso aconteceu com o médico-paciente que não acreditou na cirurgia espiritual a que foi submetido, quando sua válvula defeituosa cardíaca foi substituída por uma nova, sem uso de anestesia, com o coração “batendo” e com desprezível hemorragia, na presença de vários médicos “vivos”. Após a melhora da “asma cardíaca” este paciente, que era professor de medicina, continuou incrédulo. Um dos médicos que assistiu “a troca do pneu do carro cardíaco andando”, disse que o paciente viveu bem, mais de sete anos, quando apresentou quadro súbito de intensa dor no peito e teve um infarto fulminante. Do outro lado da vida, este médico incrédulo deve ter ficado confuso: “serei eu, por acaso, um espírito?” (6)
Voltemos ao escritor Tamassia e Ilse Passarelli, para ouvir parte da resposta, da pergunta intrigante. O leitor que é muito curioso deverá me desculpar pelo “super-resumo”.
Diz Bezerra, Jornal Espírita. SP, novembro 1979, que “assistimos na Terra a luta do homem matéria versus o homem espírito. O ser humano está colocado entre dois poderosos imãs. Patenteia-se uma obliteração visual que o tornam um sonâmbulo inconsciente, levando-o a descaminhos. Alguns são convocados para o equilíbrio, mas quando lhe é lançada no imo a boa semente de que trata a parábola do Semeador, sufoca-a por medo ou orgulho. Estes dois geram as costumeiras evasivas, para fugir a compromissos.”
Um fruto, que não sei de que árvore, pode ajudar nessa hora: “só se encontra a saúde, a cura, a si mesmo, quando se descobre que é preciso optar pela vida, por amor à vida, e não por medo da morte.”
Bezerra diz: “quando encarnado militava na Medicina. Agora desencarnado, continuamos nesse mister, todavia com uma visão mais ampla.”
Em 1979, após o doutorado sentimos a vontade primeira de escrever sobre valores, para os meus colegas. Em 2010, mais amadurecido, publicamos o artigo. Um "Centro de Referência" na UERJ. Prevenindo demandas judiciais. Microbiologia In Foco, Ano 03, Nº 11: 10-16, São Paulo, SBM Antes tarde do que nunca! (7)
Como Paul Gibier e Lamartine Palhano,(*)  não abandonamos o Departamento de Microbiologia Médica, nem o de Patologia e Laboratórios. Agora, na terceira idade, estamos fazendo cursinho pré-vestibular, para tentar depois do desencarne, uma matricula como calouro na “Universidade da Alma”, Cidade Universitária do Espírito, como no Anuário Histórico. (8)
Que me perdoe o Tamassia, vou usar apenas mais um pequeno trecho de seu resumo.
Diz Bezerra: “o exercício desta Medicina de Outro Mundo, a que me filio aqui, aponta o progresso da alma como medicamentação básica. O doente necessita ser esclarecido: de que a cura depende de sua cooperação e que essa cooperação envolve um problema de crescimento espiritual. Eis, a razão, porque o nosso exercício profissional, na qualidade de Médicos do Além, se mistura a pregação evangélica, fortalecendo a nossa fraqueza, com Jesus no coração e insistindo na difusão de preceitos que conduzem o homem à reforma interior”. Bezerra fala de valores, de Ética.
Creio que o leitor aceitaria mais conteúdo, mas agora só desenhando.
Imagine três escadas. Uma chama-se QI, outra QE e uma terceira QS, com o escritor espírita Jorge Andréa examine as “Inteligências”. (9)
Na escada da afetividade, da emoção (10), destacaríamos ações, com palavras que sobem degraus: os verbos perceber, receber, escolher, concordar, ampliar, vibrar, aceitar, buscar, servir, converter, sublimar. Neste último estágio encontramos o Espírito Matilde. (11)
Espírito ainda mau, em determinado momento, Gregório se preparava para atacar um desafeto. Surge acompanhado de sua organização criminosa (Orcrim) e inicia a investida através de palavrões duros e violentos. Após a agressão aguarda a reação. Articula novos impropérios, demonstrando acentuado desapontamento, em face dos insultos sem resposta. O terrível diretor de legiões sombrias abeirou-se do adversário e bradou: “levantar-te-ei, por mim mesmo, usando os sopapos que mereces.”
Espirito de Luz Matilde, mãe generosa, havia verificado clima vibracional favorável para materializar-se e voltar aos olhos do filho, míope pelo ódio. Ela  se apresenta diante dele..
Gregório escuta a voz cristalina e terna de Matilde, exortando-o, com delicada firmeza.
Gregório não resistiu.
Dizem que as preces das mães chegam aos céus com carimbo de “prioridade”.
Na realidade, Bezerra não está desligado da biomédica, mas trabalha pela “cura real sustentada”. Para fazer a sua opção utilizou a terceira escada, a Inteligência Espiritual (QS). Ainda quando encarnado entre nós, percebeu a importância do Tratado de Imunologia ditado por Jesus, aquele que é o Coração da Bíblia.
Em novembro de 2017 (12), Bezerra continua o mesmo. Está ligado!

(#) Jornal Espírita, SP. Novembro de 1979

Leia Mais