PAE - UM RECANTO DE PAZ

UM REDUTO DE PAZ DE "MARIA DOLORES"

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

IDENTIDADE E MEMÓRIA


Fernando Rosemberg


As definições de Memória, seja para a Ciência, ou, para a Filosofia acadêmica ou mundana (do Mundo) são as mais variadas e, concordamos, bem razoáveis, conquanto alguns elementos céticos do Espírito palingenésico, de imortalidade incontestável.

Em princípio, dir-se-ia que Memória é sinônimo de Identidade do Ser, a prova viva do Eu, do Ser que transcorrera o passado, se estabelece no presente e tem vistas voltadas para o seu futuro. Retendo tudo quanto se fora preteritamente, a Memória, neste sentido mesmo, enquadrar-se-ia como uma espécie de evocação do passado, pois que nela está registrado tudo quanto “já era” e que, de fato, não mais retornará, a não ser como algo vivido e experimentado.

Neste aspecto, pois, dir-se-ia que a Memória é a garantia da Identidade Pessoal do Espírito humano, do seu Eu, pois reúne tudo quanto realizamos, marcando, de modo indelével a Integridade do Ser, suas evidentes mudanças no tempo-evolutivo que, afinal, fora o tempo de nós mesmos ao bojo da humanidade.

Assim, pois, dir-se-ia que a Memória é não só a presentificação do passado, bem como o registro atual de tudo quanto experimentamos, o qual, passando, também permanece como lembrança em nosso presente e em nosso futuro que, amanhã, será presente, de nossa presencialidade no Mundo.

Por outro lado, ainda, a Memória é mais que fato puramente biológico, de células cerebrais que registram e gravam absolutamente tudo: percepções e ideias, gestos e palavras, momentos tristes e felizes, pois, se assim o fosse, ou seja: mero registro cerebral, como é que se explicaria o fenômeno do Lembrar-se, do selecionar e escolher o que se Lembra, e que, tal fato encerra e detém, ainda, percepções e aspectos cognitivos, sentimentais, afetivos e morais tais como remorso, arrependimento, saudade, e etc., que o cérebro, como máquina biológica por si só insensível como é, não lembraria e não sentiria, o que demonstra e prova haver na Memória, mais que tão somente cérebro, mas também coisas do Eu, do Espírito, ou, da Alma que há em mim, em você, em todos nós.
                                    
E o fato é que o cérebro não produz o Eu; mas o Eu não só pode, como o é, o construtor do cérebro como o sugerira relevantes sábios tais como: Sócrates, Jesus, Allan Kardec e os Espíritos superiores de todos os tempos da Humanidade. Ora, notemos que, na ontogênese, dos gametas ao nascituro, e deste ao homem adulto, tudo se iniciara com tais gametas que, aliás, foram cedidos pelos pais, e constituídos, basicamente, de proteínas diversas que, em si, não produziria e, com tanta maestria, o Homem em sua integralidade física, orgânica e cerebral, dotando-o, ainda, de uma Consciência, um Eu antípoda da matéria, pois que lhe transcende em abstração, inteligência e moralidade.

Ora, nem tudo o que se passa no mundo cerebral é coisa dele como entidade fisiológica e material: o Abstrato, o Cogitar e Consciencial de nós mesmos, bem como deste mundo de coisas de nossa Emotividade, de seus aspectos Axiológicos, Afetivos e Morais, sendo que tais, por si sós, já constituem provas inequívocas de alguma espiritualidade no Homem, dotada que está de Conceitos Éticos, de Vetores Psicológicos e Parapsicológicos que provam sua capacidade de transcender o espaço, de superar o tempo demonstrando-se assim sua grandeza de tipo não-físico, e, por conseguinte, Imortal, sobrepujando a tudo e resistindo aos despojos da morte corporal.
                                                                         
De retorno à Memória, pois, até se admite possa haver zonas cerebrais que, de certa forma seriam, por assim dizer, responsáveis por tal; mas isto não explica tudo, pois que há, em nosso Eu, coisas dotadas de um sentido e de um significado tão especial para nós, que um simples mecanismo cerebral não poderia e não pode dar ao nosso Espírito, nosso Eu particular de ser e de viver. Por outro lado, há a considerar-se, ainda, a Regressão de Memória, quando, e, onde, o Eu rememora o passado vivido e experimentado em outras vidas, o que nos faz resgatar o Mestre Nazareno quando sentenciara:

“Não verás o Reino dos Céus se não nascer de novo”. (Jesus).

Assim, finalizando, poderíamos resumir alguns tipos mais específicos de Memória segundo cientistas e filósofos antigos e mais modernos:

-Memória Perceptiva, ou, de Reconhecimento: que nos faz conhecer e reconhecer as coisas, pessoas, lugares, e etc.; o que é fundamental e importantíssimo em nosso cotidiano;

-Habitual: é um tipo de Memória adquirida por atenção deliberada, ou seja: pela repetição de um determinado estudo, ou, de gestos e de palavras até registrá-los em nós mesmos e, com isso, se poder externá-los sem que precisemos nos lembrar dos mesmos, pois que se tornaram hábitos;

-Temporal: de registro das coisas pretéritas ou de tudo quanto realizamos durante em nossa permanência no Mundo terreno; e, por fim:

Segundo psicólogos e parapsicólogos mais modernos, no que o Espiritismo está de pleno acordo:

-Memória Remota ou Atávica: que volta a reaparecer na presente reencarnação em crianças de tenra idade que se recordam de existência, ou, existências anteriores, ou seja: de fatos comprováveis de vidas passadas; sendo que, no homem adulto, também pode reaparecer na vida presente por Regressão de Memória.

Em suma, e finalizando, o Espiritismo corre paralelo não só com a Filosofia, tema mais específico do presente trabalho, como corre em paralelo com a Ciência e com a Religião, porém, não dogmática, e sim, como Religião Pura, em Espírito e Verdade.

E longe de desmenti-las, o Espiritismo lhes reforça em amplo aspecto, pois que Tudo Vem de Deus, Está em Deus e n’Ele Segue Existindo Permanentemente.

Articulista: Fernando Rosemberg Patrocinio:
Palestrante, Coordenador de Estudos Doutrinários e Escritor de duas dezenas de e.Books.
Blog: fernandorpatrocinio.blogspot.com.br